Table 1 shows the general characteristics of the parturients according to group location. The groups were similar with regard to age, level of education, and marital status. Most participants received education up to high school (96.0% in SP6G, 90.4% in TG, and 94.2% in CG). The remainder was still in school or had already completed higher education.
Lin Tchie Yeng – Alguns trabalhos mostram que o mais importante nessa doença é fazer o diagnóstico. Saber o que tem deixa a pessoa mais tranquila, pois é complicado sentir dores sem nenhuma causa aparente. Como a mídia tem tratado frequentemente do assunto, alguns pacientes se diagnosticam corretamente antes de ir ao médico. Todavia, eles precisam saber que têm uma disfunção de regulação da dor provocada por distúrbios físicos e psicológicos, e precisam aprender a lidar com ela visando à melhora de sua qualidade de vida. Precisam conhecer a proposta de tratamento que inclui medicação e atendimento psicológico e emocional.
Pode ser uma surpresa para a maioria dos golfistas que, devido às várias paradas e períodos de espera nas partidas, eles ficam em pé aproximadamente 70% do tempo ao jogar 18 buracos. Isso é considerado mais extenuante do que andar. Portanto, é o tempo que passa-se parado que cria cansaço nos pés e pernas. As palmilhas de golfe[4] reduzem este problema devido a pressão hidráulica que tem uma forte influência sobre o fornecimento de energia para os pés e as pernas. O baixo grau de cansaço resultará em uma maior concentração no jogo.
Na consulta, deve descrever todos os sintomas e intensidade da dor. O médico especialista escutará a história do doente e em seguida realizará um exame físico para identificar as possíveis causas da dor. Em seguida, poderá, dependendo da avaliação, solicitar alguns exames de imagem para diagnosticar a causa da ciática, tais como Raio-X, Ressonância magnética ou TAC.
Desde 1985, a Organização Mundial da Saúde preconiza taxas de cesárea populacionais entre 5,0% e 15,0%. 21 Entretanto, essas taxas têm aumentado progressivamente em várias partes do mundo. 3 No Brasil, levantamento realizado pelo Ministério da Saúde constatou aumento significativo, de 32,0% em 1994 para 52,0% dos partos realizados em 2010. c Em 2014, manteve 52,0% dos partos e 88,0% das cesáreas foram realizadas na rede privada de saúde. d
A coluna vertebral é composta por vértebras, em cujo interior existe um canal por onde passa a medula espinhal ou nervosa. Entre as vértebras estão os discos intervertebrais, estruturas em forma de anel, constituídas por tecido cartilaginoso e elástico cuja função é evitar o atrito entre uma vértebra e outra e amortecer o impacto. Os discos intervertebrais desgastam-se com o tempo e o uso repetitivo, o que facilita a formação de hérnias de disco, ou seja, parte deles sai da posição normal e comprime as raízes nervosas que emergem da coluna. O problema é mais frequente nas regiões lombar e cervical, por serem áreas mais expostas ao movimento e que suportam mais carga.
Através do uso de certos pontos de acupressão, os mares Dianne são estimulados pelo ponto de pressão. Um desses pontos de pressão está acima do umbigo, Este ponto de pressão destina-se a estimular a digestão. Outros pontos de pressão estão no interior do braço, acima do pulso, neste ponto de pressão o estômago é acalmado. Se o ponto de pressão entre o nariz e o lábio superior for usado, as coleiras de iniciação quente conhecidas são bastante reduzidas.
Some authors 13 suggest that cesarean section may contribute to elevated risk of maternal death. The progressive increase in the cesarean section rate in Brazil c has become a disturbing indicator for public health and related policies. Brazil is among the countries that most use this type of delivery, as shown in a global survey conducted in 2007. 3 Alternative methods that promote improved progress of labor and consequently, of vaginal birth, can significantly decrease the number of cesarean sections, as proposed in this study.
No entanto, o melhor tratamento ainda consiste na prevenção! Cuidados com a sobrecarga de trabalho e durante as atividades domésticas devem ser adotados. Bem como realizar momentos de relaxamento ao longo do dia. O exercício físico também é uma importante ferramenta, pois, uma vez praticado regularmente, proporciona a melhora do condicionamento físico, controlando o aparecimento de lesões e viabilizando preparo muscular para a rotina diária.
Como dito na introdução, a acupressão é utilizada como tratamento para diversas doenças na medicina chinesa tradicional. Além disso, ela também é utilizada na Índia, pela medicina ayurvédica, por séculos. Acredita-se que a origem da técnica seja testes que curandeiros chineses teriam feito em guerreiros feridos. Desde então, ela se desenvolveu e tem se chamado na modernidade como massagem shiatsu. Você encontra centros especializados na aplicação da acupressão.
Os tratamentos da Fibromialgia, que desde há cerca de oito meses se iniciaram gratuitamente, na Santa Casa da Misericórdia de São Carlos (SCMSC) – em unidade específica que presta outros atendimentos para pesquisa, como osteoartrose -, graças a uma feliz parceria entre essa instituição e o Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), através de seu Grupo de Óptica, acabam de ganhar mais um avanço científico com a introdução de um novo protocolo que está já em execução na Unidade de Terapia Fotodinâmica da SCMSC.
Heymann et al.60 Rev Bras Reumatol 2010;50(1):56-66A dose de todos os antidepressivos deve ser individualizada e qualquer mudança de humor concomitante tratada (grau de recomendação D).25O medicamento antiparkinsoniano pramipexol também foi recomendado para o tratamento da bromialgia para reduzir a dor (grau de recomendação A, nível de evidência Ib),8 sendo especialmente indicado na presença de distúrbios do sono como a síndrome das pernas inquietas (grau de recomendação A).25Analgésicos simples e os opiáceos leves também podem ser considerados para o tratamento da bromialgia, ao contrá-rio dos opiáceos potentes que não foram recomendados (grau de recomendação D, nível de evidência IV).8 O tramadol foi recomendado para o tratamento da dor na bromialgia (grau de recomendação A, nível de evidência Ib).8 Sua associação ao pa-racetamol foi considerada efetiva no tratamento da bromialgia (grau de recomendação B).25 A tropisetrona também foi recomendada para o tratamento da dor da bromialgia (grau de recomendação A, nível de evidência Ib).8 Dentre os neuromoduladores, a gabapentina (grau de re-comendação A)22 e a pregabalina foram recomendadas. Esta última foi considerada ecaz em reduzir a dor dos pacientes com bromialgia (grau de recomendação A, nível de evidência Ib).8 Por outro lado, o topiramato, não foi recomendado (grau de recomendação D) (Grupo I SBR).Os corticosteroides não devem ser empregados (grau de recomendação D, nível de evidência IV).8 Os anti-inamatórios não esteroides não devem ser utilizados como medicação de primeira linha nos pacientes com bromialgia (grau de reco-mendação A).25A zopiclona e o zolpidem foram recomendados para o tratamento dos distúrbios do sono da bromialgia (grau de recomendação D) (Grupo I SBR).Não foram recomendados para uso na bromialgia o clo-nazepam, a tinazidina e o alprazolam (grau de recomendação D) (Grupo I SBR).Tratamento não medicamentosoOs pacientes com bromialgia devem ser orientados a realiza-rem exercícios musculoesqueléticos pelo menos duas vezes por semana (grau de recomendação B).25 Programas individualiza-dos de exercícios aeróbicos podem ser benécos para alguns pacientes (grau de recomendação C, nível de evidência IIb),8 que devem ser orientados a realizar exercícios aeróbicos mode-radamente intensos (60%-75% da frequência cardíaca máxima ajustada para a idade [210 menos a idade do paciente]) duas a três vezes por semana (grau de recomendação A),25 atingindo o ponto de resistência leve, não o ponto de dor, evitando, dessa forma, a dor induzida pelo exercício. Isso é especialmente importante no subgrupo de indivíduos com hipermobilidade articular (grau de evidência B).25 O programa de exercícios deve ter início em um nível logo abaixo da capacidade aeróbica do paciente e progredir em frequência, duração ou intensidade assim que seu nível de condicionamento e força aumentar. A progressão dos exercícios deve ser lenta e gradual (grau de recomendação D)25 e se deve, sempre, encorajar os pacientes a dar continuidade para manter os ganhos induzidos pelos exercícios (grau de recomendação B).25 Programas individualizados de alongamento (grau de recomendação D) (Grupo I SBR) ou de fortalecimento mus-cular também podem ser benécos para alguns pacientes com bromialgia (grau de recomendação C, nível de evidência IIb).8 Outras terapias, como reabilitação e sioterapia ou rela-xamento, podem ser utilizadas no tratamento da bromialgia, dependendo das necessidades de cada paciente (grau de reco-mendação C, nível de evidência IIb).8A terapia cognitivo-comportamental é benéca para alguns pacientes com bromialgia (grau de recomendação D, nível de evidência IV).8 O suporte psicoterápico também pode ser utilizado no tratamento da bromialgia, dependendo das ne-cessidades de cada paciente (grau de recomendação C, nível de evidência IIb).8Não houve consenso sobre a indicação de tratamentos com acompanhamento clínico como a balneoterapia (grau de recomendação A)25 ou acupuntura (grau de recomendação C).25 Houve consenso em não recomendar a hipnoterapia, o bio-feedback, a manipulação quiroprática e a massagem terapêutica para o alívio da dor na bromialgia (grau de recomendação B).25Outras terapias, como pilates, RPG (reeducação postural global) e o tratamento homeopático, não foram recomendadas para o tratamento da bromialgia (grau de recomendação D) (Grupo I SBR).Não existem evidências cientícas de que terapias alterna-tivas, como chás, terapias ortomoleculares, cristais, cromote-rapia e orais de Bach, entre outros, sejam ecazes (grau de recomendação D) (Grupo I SBR). Não há, também, evidências cientícas de que inltrações de pontos dolorosos da bromial-gia sejam ecazes (grau de recomendação D) (Grupo I SBR).
Na hérnia de disco – quando acontece esforço, o material nuclear é impelido para trás através das fibras do anel fibroso, nesse momento você não sente a dor. Mas durante a noite, por causa da maior embebição aquosa do núcleo e da elevação da pressão intradiscal as fibras se rompem. Horas depois a pessoa começa a sentir uma dor aguda e intensa com irradiação da dor para o membro inferior.
Na maioria dos casos, o tratamento da inflamação ou compressão do nervo ciático envolve a realização de sessões de fisioterapia com aparelhos que reduzem a dor e inflamação e são realizados exercícios de fortalecimento e alongamentos, e técnicas manuais para mobilizar e estirar a perna afetada, melhorando a irrigação sanguíneo do próprio nervo ciático e normalizar o tônus dos músculos do glúteo e da perna.
A anamnese (levantamento da história clínica do paciente) e o exame físico para identificar as raízes nervosas comprometidas são elementos de importância reconhecida para o diagnóstico da ciatalgia. Conforme o caso, exames de imagem como raios X, tomografia computadorizada e ressonância magnética podem fornecer dados que ajudam a confirmar o diagnóstico e a instituir o tratamento.
É tentadora e parece lógica a opção pelo repouso total após uma crise de dor nas costas, mas a literatura demonstra com muita clareza que o imobilismo está entre as piores decisões que se pode adotar na presença de dor crônica na coluna vertebral. Obviamente, durante uma crise aguda de lombalgia, os movimentos do tronco e dos membros ficam bastante comprometidos. Mas, após diagnóstico adequado e tratamento médico da fase aguda, é recomendável o retorno gradual às atividades físicas cotidianas e, em seguida, ao programa de exercícios que deverá receber alguns ajustes. Normalmente, essa sequência somente é possível após tratamento fisioterapêutico.
A principal maneira de lidar com a dor nas costas é investigar, antes de mais nada, a sua causa. O diagnóstico precoce é fundamental para evitar o equívoco de uma doença que possa ser evidenciada como causa da dor, mas que, na verdade, não tenha associação e, assim, agravar a condição do paciente ao ser tratado de forma inadequada. O tratamento deve ser multidisciplinar, envolvendo diferentes tipos de exames a serem realizados por diversos médicos, para só então iniciar um atendimento específico para aquele quadro.
Cambio a nivel cerebral en las personas con fibromialgia: Se cree que la estimulación repetida de los nervios hace que se genere un aumento anormal de los niveles de ciertas sustancias químicas en el cerebro (neurotransmisores), dando la señal de dolor. Además, los receptores cerebrales del dolor parecen desarrollar una especie de memoria del dolor y se vuelven más sensibles, reaccionado exageradamente ante las señales de dolor.
Dor nas costas + pernas: geralmente, está relacionada à pressão do nervo ciático, o qual se localiza entre o final da coluna vertebral e o início das nádegas. Se sentir dificuldade para andar, ficar sentada, deitar ou realizar qualquer outro movimento, procure um médico, pois pode ser algum problema de postura. Um ortopedista deve te indicar o tratamento correto e os medicamentos correspondentes.
Os chineses sempre foram muito à frente no mundo da cura e da medicina que são mais como ir sobre a natureza estrada. Uma dessas técnicas é utilizado para tratar uma variedade de sintomas é acupuntura. Carregado na arte da medicina chinesa tradicional para o tratamento de alguns sintomas aceder pontos adequados da pressão do corpo é conhecido como acupuntura. Baseia-se no princípio do fluxo de vida (também conhecido como Qi), que tem algumas ruas e meridianos para diferentes órgãos do corpo, e mantém o equilíbrio de energia do corpo. De acordo com este princípio, uma interrupção do fluxo de Qi pode afetar órgãos importantes. Portanto, um praticante de acupressão sempre detecta o paciente a identificar os pontos fracos meridianos de acupuntura.
A coluna vertebral é composta por vértebras, em cujo interior existe um canal por onde passa a medula espinhal ou nervosa. Entre as vértebras estão os discos intervertebrais, estruturas em forma de anel, constituídas por tecido cartilaginoso e elástico cuja função é evitar o atrito entre uma vértebra e outra e amortecer o impacto. Os discos intervertebrais desgastam-se com o tempo e o uso repetitivo, o que facilita a formação de hérnias de disco, ou seja, parte deles sai da posição normal e comprime as raízes nervosas que emergem da coluna. O problema é mais frequente nas regiões lombar e cervical, por serem áreas mais expostas ao movimento e que suportam mais carga.

Como vimos, a larga maioria dos casos pode ser perfeitamente benigna, mas outros há que são extremamente graves e que podem colocar a sua vida em risco e num curto espaço de tempo. Neste sentido, é muito importante que o doente nunca se automedique ou desvalorize os sintomas, consultando um médico de modo a permitir diagnosticar e tratar a patologia responsável pela dor de costas, conforme veremos de seguida.
No segundo estágio, chamado de Associativo, o objetivo é manter a contração destes músculos ao mesmo tempo em que são realizados movimentos dos membros com o tronco apoiado; ou seja, a musculatura global passa a ser solicitada associada a local. Nesta fase inicia-se o treino de atividades do dia a dia, como sentar e levantar corretamente, mantendo uma boa postura.
A principal maneira de lidar com a dor nas costas é investigar, antes de mais nada, a sua causa. O diagnóstico precoce é fundamental para evitar o equívoco de uma doença que possa ser evidenciada como causa da dor, mas que, na verdade, não tenha associação e, assim, agravar a condição do paciente ao ser tratado de forma inadequada. O tratamento deve ser multidisciplinar, envolvendo diferentes tipos de exames a serem realizados por diversos médicos, para só então iniciar um atendimento específico para aquele quadro.

Os pacientes que têm fibromialgia devem fazer exercício físico, principalmente o condicionamento aeróbico que proporciona os melhores resultados a médio e longo prazos. Os pacientes referem melhora dos sintomas dolorosos e da fadiga. A introdução de programas de exercícios físicos, seja no solo ou na água, têm apresentado sucesso no alívio dos sintomas. (1)

Prescrever exercícios resistidos para indivíduos com histórico de dor na coluna vertebral não é tarefa simples e implica, além do conhecimento sobre os fatores determinantes da dor, a compreensão do processo de estabilização da coluna vertebral, o domínio da técnica de execução, para garantir que os músculos sejam ativados de acordo com os objetivos, e noção apurada das progressões dos exercícios. É relativamente frequente que o fisioterapeuta ou o profissional de Educação Física que recebe o paciente/aluno egresso de uma crise na coluna vertebral seja conservador na escolha dos exercícios, posições e métodos adotados. Porém, treinar um indivíduo procurando, apenas, evitar situações de risco é abrir mão do potencial preventivo do treinamento e não prepará-lo para as exigências do cotidiano, incluindo mobilização de cargas e prática esportiva. Apesar da abordagem sempre ser global, o treinamento da força muscular deverá recair invariavelmente sobre os músculos responsáveis pela estabilidade da coluna vertebral. Esse grupo de músculos compõe a região conhecida como core (núcleo). O core é constituído de uma unidade integrada composta de 29 pares de músculos que suportam o complexo quadril-pélvis-lombar (QPL). Pode-se fazer uma analogia com uma “caixa” na região central do corpo, em que se localiza o centro de gravidade e na qual basicamente todos os movimentos dos membros se iniciam.
Além disso, os exercícios de alongamento também devem ser realizados diariamente para manter as estruturas bem posicionadas e os músculos com a flexibilidade ideal para realizar todas as atividades diárias sem dor. Na consulta o fisioterapeuta poderá indicar os alongamentos que poderá ser realizado em casa, para complementar o tratamento na clínica.
Esses tratamentos proporcionam alívio temporário, mas não eliminam a causa do problema. Se a dor ciática é causada por uma hérnia de disco, protrusão ou estenose do canal lombar, as recaídas podem ocorrer. Na verdade, cada paciente reage de um modo bastante específico, por isso a administração de medicamentos vai depender das condições de cada pessoa.
66 Bras J Rheumatol 2010;50(1):56-66Heymann et al.4. Annemans L, Wessely S, Spaepen E, Caekelbergh K, Caubère JP, Le Lay K et al. Health economic consequences related to the diagnosis of bromyalgia syndrome. Arthritis Rheum 2008; 58(3):895-902.5. Provenza JR, Pollak DF, Martinez JE, Paiva ES, Helfenstein M, Heymann R et al. Diretrizes da Fibromialgia - Sociedade Brasileira de Reumatologia, 2004. Disponível em: http://www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/052.pdf.6. Associação Médica Brasileira. Conselho Federal de Medicina. Projeto Diretrizes: introdução. Disponível em: www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/texto_introdutorio.pdf7. Axia.Bio Farmacoeconomia e pesquisa em saúde. Disponível em: www.axia.bio.br.8. Carville SF, Arendt-Nielsen S, Bliddal H, Blotman F, Branco JC, Buskila D et al. EULAR evidence-based recommendations for the management of bromyalgia syndrome. Ann Rheum Dis 2008; 67(4):536-41.9. Goldenberg DL, Burckhardt C, Crofford L. Management of bromyalgia syndrome. JAMA 2004; 292(19):2388-95. 10. O’Malley PG, Balden E, Tomkins G, Santoro J, Kroenke K, Jackson JL. Treatment of bromyalgia with antidepressants: a meta-analysis. J Gen Intern Med 2000; 15(9):659-66.11. Tofferi JK, Jackson JL, O’Malley PG. Treatment of bromyalgia with cyclobenzaprine: A meta-analysis. Arthritis Rheum 2004; 51(1):9-13.12. Furlan AD, Sandoval JA, Mailis-Gagnon A, Tunks E. Opioids for chronic noncancer pain: a meta-analysis of effectiveness and side effects. CMAJ 2006; 174(11):1589-94.13. Thomas E, Blotman F. Are antidepressants effective in bromyalgia? Joint Bone Spine 2002; 69(6):531-3.14. Jacobs JW, Geenen R. Are antidepressant drugs efcacious in the treatment of bromyalgia? West J Med 2001; 175(5):314.15. Mayhew E, Ernst E. Acupuncture for bromyalgia--a systematic review of randomized clinical trials. Rheumatology (Oxford) 2007; 46(5):801-4.16. Perrot S, Javier RM, Marty M, Le Jeunne C, Laroche F; CEDR (Cercle d’Étude de la Douleur en Rhumatologie France), French Rheumatological Society, Pain Study Section. Is there any evidence to support the use of anti-depressants in painful rheumatological conditions? Systematic review of pharmacological and clinical studies. Rheumatology (Oxford) 2008; 47(8):1117-23.17. Mannerkorpi K, Iversen. Physical exercise in bromyalgia and related syndromes. Best Pract Res Clin Rheumatol 2003; 17(4):629-47.18. Holdcraft LC, Asse N, Buchwald D. Complementary and alternative medicine in bromyalgia and related syndromes. Best Pract Res Clin Rheumatol 2003; 17(4):667-83.19. Jung AC, Staiger T, Sullivan M. The efcacy of selective serotonin reuptake inhibitors for the management of chronic pain. J Gen Intern Med 1997; 12(6):384-9.20. Sim J, Adams N. Systematic review of randomized controlled trials of nonpharmacological interventions for bromyalgia. Clin J Pain 2002; 18(5):324-36.21. Mannerkorpi K, Henriksson C. Non-pharmacological treatment of chronic widespread musculoskeletal pain. Best Pract Res Clin Rheumatol 2007; 21(3):513-34.22. Crofford LJ.Pain management in bromyalgia. Curr Opin Rheum 2008; 20(3);246-250.23. Busch AJ, Barber KA, Overend TJ, Peloso PMJ, Schachter CL. Exercise for treating bromyalgia syndrome. Cochrane Database of Systematic Reviews 2007, Issue 4. Art. No.: CD003786. DOI: 10.1002/14651858.CD003786.pub2.24. University of Texas, School of Nursing, Family Nurse Practitioner Program. Fibromyalgia treatment guideline. Austin (TX): University of Texas, School of Nursing; 2005. 13 p.25. Buckhardt CS, Goldenberg D, Crofford L, Gerwin R, Gowans S, Kugel P et al. Guideline for the management of bromyalgia syndrome pain in adults and children. APS Clinical Practice Guidelines Series, No 4. Glenview, IL: American Pain Society; 2005.26. Institute for Clinical Systems Improvement (ICSI). Assessment and management of chronic pain. Bloomington (MN): Institute for Clinical Systems Improvement (ICSI); 2007. 87 p.27. Development and validation of an international appraisal instrument for assessing the quality of clinical practice guidelines: the AGREE project. Qual. Saf. Health Care 2003; 12;18-23.

“Estudos anteriores indicaram que pacientes com fibromialgia apresentam quantidade maior de neurorreceptores próximos aos vasos sanguíneos das mãos. Alguns pacientes chegam a ter até pontos vermelhos nessa região. Por isso, mudamos o foco e testamos a atuação direta nessas células sensoriais das mãos e não só nos chamados pontos de gatilho de dor, como o músculo trapézio, região normalmente de muita dor para pacientes fibromiálgicos”, disse Juliana da Silva Amaral Bruno, fisioterapeuta e primeira autora do estudo.
As dores de costas podem perdurar por mais tempo do que uma visita indesejável. Manifestam-se inicialmente como uma dor fraca mas persistente ou pontada ocasional. Também se podem assemelhar a uma martelada num dedo, produzindo uma dor aguda e latejante. Outras vezes aparece sorrateira. Pode irradiar do centro para as partes superiores ou inferiores das costas. Alem disso, pode aparecer por uma variedade de razões surpreendentes,às vezes devido a uma hérnia ou até algum problema nos ovários.
Os produtos de acupressão para saúde da hälsa são para pessoas que querem aumentar seus níveis de energia e aproveitar a vida - animais de estimação também os amam. Se você está estressado ou se você está experimentando fadiga, baixa energia, tensão muscular, dores de cabeça, dor nas costas, ou se você está simplesmente à procura de descanso mais completo, o tapete de bem-estar hälsa pode ser ideal para você.

Hoje em dia, existem várias maneiras de tratar esta área com uma terapia. Os tratamentos não são apenas para combater os sintomas, mas também para preveni-los. A terapia da dor pode ser tratada naturalmente por meio de uma terapia de movimento, o tratamento com analgésicos é o método de tratamento mais conhecido, mas também há métodos de tratamento alternativos para tratar dor nas costas e no pescoço e para aliviar a dor.
Ao comentar com a imprensa, nesta terça-feira, 12 de março, o trabalho que começou a fazer com Matt Killen, coach de putts de Justin Thomas, entre outros, Tiger Woods (foto) explicou que seus problemas no pescoço são em parte reflexos da fusão lombar (Anterior Lumbar Interbody Fusion), a quarta e última cirurgia por que passou nas costas, que basicamente consistiu em resolver um problema crônico de uma hérnia de disco entre a lombar e o sacro (L5/S1), unindo-as com uma prótese aparafusada em cada uma das duas vértebras. E, para Woods, foram as dores no  pescoço que o contribuíram para ele ter um desempenho ruim nos greens nos dois últimos torneios que disputou.
– Tabagismo: dados publicados no periódico American Journal of Medicine aponta que fumantes, sobretudo os mais jovens, são mais propensos a apresentarem dores lombares. Embora as causas não estejam completamente elucidadas, acredita-se que haja uma diminuição do fluxo de sangue para a espinha, além de um aumento no risco de osteoporose e um aumento na circulação de substâncias que causam dor no organismo do fumante.
Mas, já sabe que a fibromialgia acontece por uma alteração da interpretação dos estímulos recebidos pelo cérebro e também pelos receptores cutâneos. Para combater e aliviar as dores provocadas pela fibromialgia, algumas opções de tratamento são tomar remédios antidepressivos e analgésicos indicados por médico, fazer fisioterapia e também terapias alternativas, como a acupuntura.
×