“Deve-se respeitar as distâncias compatíveis com a idade. Não existe uma regra clara para isso, mas quanto mais nova a criança, menor deve ser a distância, até porque distâncias muito longas desestimulam. O que também pode causar lesões são superfícies instáveis, inclinações e obstáculos. No mais, as crianças podem brincar de correr à vontade. Oferecer água também é um estratégia que diminui as chances de lesões”, ressalta o profissional de educação física.
Saber distinguir se a dor é oriunda de um problema na coluna ou se o paciente tem pré-disposição para contratura desse músculo será de fundamental importância para saber se é possível alongar ou não. É importante salientar que a causa mais comum da dor ciática são as lesões degenerativas da coluna vertebral, tais como: hérnia de disco, protrusão de disco, espondilolistese, artrose nas vértebras inferiores e estenose vertebral. Nesses casos, alongar os músculos posteriores da coxa podem até contribuir para o aumento da dor. Nas lesões mais severas e graves, os pacientes poderão apresentar quadros de fraqueza muscular em uma das pernas ou nas duas, e a falta de força poderá mudar o padrão da caminhada. Nesses casos, o paciente não consegue ficar de ponta de pé sobre a perna afetada ou dar alguns passos usando apenas os calcanhares.
O médico radiologista especializado em ortopedia esportiva e chefe de diagnósticos no Hospital do Coração (HCor), Abdalla Skaf, comenta em entrevista ao programa Rota Saudável, da Rádio Estadão, sobre o tema. De acordo com o ele, a pessoa que sentir dor nas costas deve procurar um especialista imediatamente. “O profissional irá realizar um exame físico primeiramente. Se este não for suficiente para diagnosticar a real causa do problema, sugere-se uma série de testes complementares, como a radiografia, ou, em casos mais extremos, ressonâncias magnéticas e tomografias”, explica.
Lin Tchie Yeng – Nos Estados Unidos, até aproximadamente quatro anos atrás, apenas 25% dos profissionais reconheciam a existência de fibromialgia. No Brasil, a tendência maior tem sido atribuir a causa dessa dor a fatores de ordem psicológica ou familiar. Assim, é comum receber pacientes tratados sem sucesso durante cinco ou seis anos e aos quais foi indicado consultar um psicólogo ou psiquiatra.
Temos um numeroso arsenal contra as dores nas costas, que vão afligir oito em cada dez pessoas pelo menos em um momento da vida, mas muitas vezes estamos errando o alvo ou pecando pelo excesso. É o que sugere um levantamento da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, englobando 23 918 consultas por causa de queixas desse tipo entre 1999 e 2010. Os pesquisadores concluíram que, ali, os médicos não seguem direito as recomendações para o manejo do problema, o que resulta em um abuso na prescrição de remédios, exames de imagem e até mesmo cirurgias.
Atendendo ao fato de que a fisioterapia comumente usa recursos, como ultrassom terapêutico e terapia a laser, terapias essas que já demonstraram ter um grande potencial para diminuir a dor e a capacidade funcional dos pacientes com fibromialgia, uma equipe de pesquisadores do Grupo de Óptica do CEPOF-IFSC/USP, constituída pelos fisioterapeutas Juliana Amaral e Daniel Marques Franco, e os pesquisadores Antonio de Aquino Junior e Vanderlei Salvador Bagnato, descobriram um novo método bem mais eficaz no combate às dores e incapacidades provocadas pela doença.
Pode ser uma surpresa para a maioria dos golfistas que, devido às várias paradas e períodos de espera nas partidas, eles ficam em pé aproximadamente 70% do tempo ao jogar 18 buracos. Isso é considerado mais extenuante do que andar. Portanto, é o tempo que passa-se parado que cria cansaço nos pés e pernas. As palmilhas de golfe[4] reduzem este problema devido a pressão hidráulica que tem uma forte influência sobre o fornecimento de energia para os pés e as pernas. O baixo grau de cansaço resultará em uma maior concentração no jogo.

O tratamento de primeira linha mais comum passa pelos analgésicos ou anti-inflamatórios para alívio de dor, aplicação de gelo ou calor na área dolorida e eventualmente fisioterapia. Ao contrário do que se pensa, o repouso absoluto não é recomendado. Os tratamentos adicionais dependem da doença que está a provocar a ciática. Os medicamentos, bem como a sua forma de administração devem ser SEMPRE prescritos por um médico, nunca devendo o doente automedicar-se. Como opção há a cirurgia, geralmente recomendada para casos que não obtiveram sucesso com tratamentos à base de medicamentos. A cirurgia, quando devidamente indicada, é extremamente eficaz e segura no tratamento da ciática, apresentando muito menores riscos que o uso continuado de medicamentos para alívio de dor. Atualmente, as técnicas minimamente invasivas tornaram a cirurgia à coluna extremamente eficaz e praticamente sem riscos, permitindo uma recuperação muito rápida.
Como uma extensão da reabilitação efetiva, também oferecemos aos nossos pacientes, veteranos incapacitados, atletas, jovens e idosos um portfólio diversificado de equipamentos de força, exercícios de alto desempenho e opções avançadas de tratamento de agilidade. Nós nos aliamos às principais cidades, terapeutas e treinadores para oferecer aos atletas competitivos de alto nível as possibilidades de se dedicarem às suas maiores habilidades dentro de nossas instalações.
Existem diversas causas para a dor na coluna, podendo também identificar alguns fatores de risco para o surgimento da sintomatologia. Os problemas musculares podem, na maioria das vezes, ser acautelados se soubermos identificar os fatores de risco e preveni-los. Infelizmente, algumas patologias (ou doenças) relacionadas com a dor de coluna não podem ser prevenidas. Veja mais informação em prevenção da dor na coluna.
A anamnese (levantamento da história clínica do paciente) e o exame físico para identificar as raízes nervosas comprometidas são elementos de importância reconhecida para o diagnóstico da ciatalgia. Conforme o caso, exames de imagem como raios X, tomografia computadorizada e ressonância magnética podem fornecer dados que ajudam a confirmar o diagnóstico e a instituir o tratamento.

As parturientes do GC receberam tratamento usual da unidade obstétrica e foram acompanhadas durante o mesmo período. A indução ou condução mecânica ou farmacológica do TP é uma prática de rotina. O preparo cervical das gestantes com o colo desfavorável é feito utilizando-se prostaglandina ou sonda foley (balão introduzido acima do orifício interno do canal cervical, insuflado com 30 ml a 50 ml de água destilada). A indução do TP ocorre quando o colo é favorável e o índice Bishop ≥ 6. Nas mulheres que iniciam o preparo cervical com prostaglandina e obtêm boa resposta, mantém-se a conduta nas primeiras 24h ou até o estabelecimento de TP franco: posologia de 25 mcg a cada 6h (chegando-se à dose máxima de 100 mcg, se necessário, em 24h). Nos casos de indução do TP com ocitocina, o protocolo e estabelece a infusão intravenosa de 2 mUI/min e dose dobrada a cada 30 min, até o estabelecimento do TP efetivo.
Muitos fatores são importantes para evitar que uma lombalgia aguda se torne crônica. A correção postural, principalmente na maneira de se sentar no trabalho e na escola é essencial. Na fase aguda, a ginástica é importante. Quando fizer exercício com pesos na ginástica, proteja a coluna deitando ou sentando com apoio nas costas. Sempre evitar carregar peso. Não permanecer curvado por muito tempo. Quando se abaixar no chão, dobrar os joelhos e não dobrar a coluna. Para outros esclarecimentos, consulte o seu médico ortopedista.

“Não tomo anticoncepcional há 14 anos. Minha menstruação nunca foi regulada, essa foi uma das razões que comecei a tomar, mas com o anticoncepcional me sentia inchada, mal humorada e gorda. Decidi parar de vez um ano antes de engravidar e durante esse período percebi que meu corpo respondia melhor aos exercícios físicos. Já praticava esportes há cinco anos, porém não era com a intensidade de hoje. Engravidei da minha filha, hoje com nove anos, e durante a gestação corri dos três aos sete meses, porque me sentia bastante disposta. Hoje, com quase 40, estou na minha melhor forma.”
O tapete de acupressão foi ser design para o alívio da dor na coluna traseira, Physio subir com esta solução para trás, pescoço, ombros, parte inferior das costas ,tensão muscular problema onde as pessoas sofrem de cavalo demasiado sobre o carro ou trabalhar por muito tempo em suas mesas ou demasiado tempo a usar o smartphone.  É bom o shiatsu pescoço, dorso, dispositivo de pressão para relaxar a tensão muscular e dor.
El objetivo de la terapia es modificar la idea que tiene la persona sobre su dolor para que adopte una actitud más positiva frente a la enfermedad. Hay evidencias muy coherentes sobre los resultados de los tratamientos, tanto psicológicos como conductuales, en la fibromialgia. Disminuye la intensidad del dolor y el cansancio, y mejora el estado anímico y la capacidad funcional.

Popularmente conhecida como fibro, a fibromialgia é uma síndrome de causas ainda desconhecidas. Mas, que pode provocar dores fortes por todo o corpo durante muito tempo ou sensibilidade nas articulações, nos músculos e nos tendões. Isso acontece devido uma alteração da interpretação dos estímulos recebidos pelo cérebro e também pelos receptores cutâneos.
Se o seu emprego implica levantar pesos com frequência use um cinto abdominal. Este vai empurrar o abdómen para dentro, ajuda a apoiar a coluna e lembra-lo de levantar os pesos de forma correta. Os halterofilistas usam este tipo de cinta para protegerem as costas durante os exercícios. As cintas encontram-se à venda em boas lojas de artigos desportivos e centros comerciais.

Benefícios: Fortalece todo o corpo para prevenir, bem como aliviar alergias. ponto longa vida, ponto de equilíbrio, para aumentar a energia, dor no joelho, dor gástrica, vómitos, distensão abdominal, diarréia, constipação, tontura, confusão mental, transtornos mentais, esquizofrenia, esclerose arterial, má digestão, especialmente de proteínas e carboidratos, diabetes, abcesso da mama, mastopatia, dor e inchaço no peito, efeitos secundários da radiação e quimioterapia. Fortalece e tons os músculos e melhora a condição da pele por todo o corpo.
O nervo ciático se conecta com a medula espinhal através dos forames sacras posteriores e também da quinta vértebra lombar (L5). À medida que acompanhamos o nervo no sentido do quadril ao pé, esses ramos que saem da medula se unem e formam o nervo ciático que, quando chega na metade do fêmur, se divide em nervo tibial e nervo fibular comum que, por sua vez, vão se ramificando.
Heymann et al.58 Rev Bras Reumatol 2010;50(1):56-66Nos portais NICE (National Institute of Clinical Excelente) e OASIS, a digitação da palavra “bromyalgia”, não resultou em artigos. No portal DARE, foram encontrados dois resumos relevantes de revisões sistemáticas. Na National Guideline Clearinghouse, a busca por “bromyalgia” demonstrou 17 itens, sendo quatro diretrizes de interesse.9,24-26Um grupo de seis especialistas em reumatologia, considera-dos estudiosos e pesquisadores em bromialgia (Grupo I), por indicação da Sociedade Brasileira de Reumatologia, avaliou as diretrizes (guidelines) obtidas na pesquisa utilizando um instrumento próprio para este tipo pontuação.27 A incorporação dos guidelines internacionais na discussão local foi avaliada a partir do critério estabelecido pela AGREE Collaboration (Apraisal of Guidelines Research and Evaluation), que permite a avaliação e a comparação entre diferentes diretrizes (guideli-nes), permitindo, assim, a utilização dos melhores critérios de cada um. O AGREE é uma ferramenta genérica, podendo ser aplicada a qualquer patologia, incluindo aspectos diagnósticos, promoção da saúde, tratamento e outras intervenções.A metodologia proposta pelo AGREE avalia tanto a qua-lidade do enunciado como a qualidade de alguns aspectos intrínsecos às recomendações, dividida em seis domínios: Âmbito e nalidade (objetivo global da norma de orientação); Envolvimento das partes (representação de todas as partes inte-ressadas e potenciais utilizadores), Rigor do desenvolvimento (processo de coleta de evidências utilizado e formulação das recomendações); Clareza e apresentação (linguagem e forma-to), Aplicabilidade (aplicação das recomendações em termos organizacionais, comportamentais e de custos) e Independência editorial (isenção das recomendações e reconhecimento de conitos de interesse). Com base neste método de avaliação, foram escolhidas as diretrizes (guidelines) que alcançaram um percentual maior ou igual a 51% em todos os domínios.8,25,26 Essas diretrizes (guidelines) selecionadas serviram de base para que se elabo-rasse um questionário inicial para a construção do consenso. Esse questionário inicial foi então avaliado e modicado pelos integrantes do Grupo I. Outras metanálises e revisões sistemá-ticas que não passaram pelo método AGREE também foram avaliadas pelos especialistas do Grupo I, que decidiram pela sua incorporação ou não na lista de recomendações a serem questionadas.Os especialistas do Grupo I foram alertados de que as recomendações deveriam ser elaboradas de acordo com seu grau de recomendação e aplicabilidade no Brasil.Uma vez concluída a elaboração desse questionário pelo Grupo I, passamos à segunda etapa do projeto, ou seja, a vo-tação dessas recomendações.Segunda etapa: VotaçãoA segunda etapa consistiu na reunião entre médicos de várias especialidades que estudam e tratam a bromialgia, com a nalidade de votarem na sua concordância ou não com as armações elaboradas pelo Grupo I. Essas armações reproduzem os achados obtidos nos estudos consultados na primeira fase. Para isso, formou-se o Grupo II, constituído pelos integrantes do Grupo I acrescidos de especialistas selecionados por suas respectivas sociedades médicas, levando-se em conta sua experiência e reconhecimento no tratamento da doença em avaliação. O Grupo II foi formado por 30 especialistas provenientes das seguintes sociedades: Sociedade Brasileira de Reumatologia, Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor, Sociedade Brasileira de Clínica Mé-dica, Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, Academia Brasileira de Neurologia e Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação. A votação das armações elaboradas foi eletrônica, e os participantes não foram identicados individualmente, apare-cendo somente o resultado do grupo. No momento da votação, todos os especialistas foram alertados que as recomendações deveriam ser avaliadas de acordo com seu grau de recomen-dação e aplicabilidade no Brasil.Todas as recomendações foram votadas como SIM ou NÃO, sendo que seguindo a metodologia BASCE,7 somente aquelas que tiveram uma votação SIM ou NÃO igual ou su-perior a 70% do grupo foram consideradas consensuais. As armações que não obtiveram consenso na primeira votação foram motivo de argumentações entre um especialista favorá-vel e outro contrário. Após o término desse debate, foi realizada nova votação. As questões que, após a segunda votação, não atingiram o percentual estabelecido foram consideradas como não tendo alcançado consenso e, portanto, não foram incluídas nas recomendações desse Consenso Brasileiro. Dessa forma, as práticas aqui recomendadas foram aquelas que obtiveram pelo menos 70% de consenso, e as não recomen-dadas foram aquelas em que pelo menos 70% dos especialistas concordaram em não as recomendar. As que não obtiveram consenso foram aquelas em que não houve pelo menos 70% de concordância em recomendá-las ou não.Como documentação, a reunião de consenso foi lmada e também documentada por meio de voto eletrônico.CAPTAÇÃO DE RECURSOSA Sociedade Brasileira de Reumatologia contratou os serviços da empresa Axia.Bio para a captação de recursos, condução
Ao comentar com a imprensa, nesta terça-feira, 12 de março, o trabalho que começou a fazer com Matt Killen, coach de putts de Justin Thomas, entre outros, Tiger Woods (foto) explicou que seus problemas no pescoço são em parte reflexos da fusão lombar (Anterior Lumbar Interbody Fusion), a quarta e última cirurgia por que passou nas costas, que basicamente consistiu em resolver um problema crônico de uma hérnia de disco entre a lombar e o sacro (L5/S1), unindo-as com uma prótese aparafusada em cada uma das duas vértebras. E, para Woods, foram as dores no  pescoço que o contribuíram para ele ter um desempenho ruim nos greens nos dois últimos torneios que disputou.
Segundo estudos, essa dor acontece porque a estimulação repetida dos nervos faz com que o cérebro de pessoas com Fibromialgia se modifique. Esta mudança envolve um aumento anormal dos níveis de certas substâncias químicas que sinalizam dor (neurotransmissores). Além disso, os receptores de dor do cérebro parecem desenvolver uma espécie de memória da dor. Tornam-se mais sensíveis, o que significa que podem reagir exageradamente a sinais de dor.
Os remédios indicados para combater a dor ciática podem ser o Paracetamol, Ibuprofeno, ou os mais fortes, derivados da morfina como o Tramadol,  mas um relaxante muscular e o Diazepan também podem ser indicados pelo ortopedista. Mas uma forma mais natural de combater a dor é tomar o complexo de vitamina B, já que esta melhora a saúde dos nervos do corpo.
O sistema do corpo miofascial é construído a partir de um arranjo contínuo dos tecidos destinados a funcionar em padrões organizados, não como grupos musculares isolados. Quando a funcionar correctamente, energia com competência é transmitida via força-acoplamento por meio de uma cadeia de reação enraizada na terra. Recrutamento da unidade motora só se torna isolado para um grupo muscular precisa quando o cérebro percebe uma desconexão do sistema e chama-se no "subs". Como, durante um balanço do golfe, se uma cápsula de quadril fibrosed estavam bloqueando a transferência de energia da cadeia cinética, acoplamento de força normal iria sofrer devido à falta de mobilidade da cabeça do fêmur no acetábulo. (Fig. 3) O terapeuta manual deve primeiro mobilizar a articulação fixada em todos os três planos cardinais e mova a cadeia cinética para avaliar e corrigir qualquer compensação sacroilíaca ou lombar que pode dirigir dor nas costas do jogador de golfe.
O ITC Vertebral desenvolveu uma técnica de tratamento para a coluna vertebral sem procedimentos invasivos. Os pacientes são tratados de acordo com os sintomas e sinais da dor. Não existe um trabalho padrão e é aí que consiste um dos grandes diferenciais do ITC Vertebral: o indivíduo passa por uma avaliação criteriosa, sendo direcionado, a partir dessa primeira etapa, para um atendimento personalizado. Fala-se, portanto, em “Subclassificação” das dores na coluna vertebral, os critérios de tratamento obedecem às características individuais do estado clínico do paciente.
Fisioterapia ativa e passiva, perda de peso, reeducação postural e prática de atividade física (caminhadas e alongamentos, por exemplo) respeitando as limitações de cada paciente são medidas fundamentais não só para promover a descompressão do nervo, mas também como para prevenir as crises. A cirurgia só deve ser indicada em casos especiais e devidamente avaliados pelo médico especialista.
O alongamento baseado na técnica de Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva (contrai-relaxa/mantém-relaxa) possui efeitos significativos na redução da compressão do nervo ciático, em conjunto com os alongamentos convencionais (estáticos – passivos e ativos) e com as manobras de mobilização neural. As últimas são complementares, tendo o papel de reposicionar os segmentos do nervo para reduzir a sua compressão.

A terapia cognitivo comportamental (TCC) é uma boa forma de trabalhar os sintomas da fibromialgia e da depressão em conjunto. Essa abordagem leva principalmente em conta a forma como cada um age perante os acontecimentos do dia a dia, assim é possível entender e modificar as emoções e o modo de agir do paciente. Na Fibromialgia, a TCC auxilia o paciente a entender e interpretar melhor suas atitudes frente à dor e demais sintomas para enfrentá-los de forma eficiente.


Como dito na introdução, a acupressão é utilizada como tratamento para diversas doenças na medicina chinesa tradicional. Além disso, ela também é utilizada na Índia, pela medicina ayurvédica, por séculos. Acredita-se que a origem da técnica seja testes que curandeiros chineses teriam feito em guerreiros feridos. Desde então, ela se desenvolveu e tem se chamado na modernidade como massagem shiatsu. Você encontra centros especializados na aplicação da acupressão.
De acordo com sua declaração, um disco em Woods devolveu-se seriamente devido a causar ciática, as três cirurgias e dor severa nas costas e nas pernas. Durante a operação recente, o disco danificado foi removido e o espaço do disco colapsado foi elevado a níveis que eram regulares. O objetivo é aliviar a pressão sobre o nervo, diz o comunicado. O procedimento foi realizado pelo Dr. Richard Guyer do Centro de Reposição de Disco no Texas Back Institute.
Esta esteira consiste em 8,820 picos que estimulam os pontos de acupressão do seu corpo, ajudando-o a liberar hormônios naturais de alívio da dor. Muito parecido com massagem e acupressão, o tapete de bem-estar é usado para estimular naturalmente a liberação de endorfinas e oxitocina, hormônios de alívio da dor do próprio corpo. Esses hormônios, que também são liberados durante o exercício, o toque, a excitação e a paixão, promovem o bem-estar mental e físico.
Lista de Doenças Hérnia de disco Coluna Vertebral Dor na coluna Osteofitose (bico de papagaio) Hiperlordose e Hipercifose Dor Ciática (Nervo Ciático) Dor nas costas Lombalgia – Dor Lombar Cervicalgia Dor Torácica Mielopatia Whiplash Modic Osteopenia e Osteoporose Protrusão discal Estabilidade Vertebral Cistos de Tarlov Fibromialgia Estenose Lombar Espondilolistese Espondilólise Espondilite Anquilosante Escoliose Degeneração discal Artrose Vertebral
No Brasil, o exagero parece ocorrer sobretudo nos exames de imagem, como raios X e ressonância magnética. Infelizmente, porém, esses métodos não têm a capacidade de acusar a origem precisa do incômodo, salvo exceções como um tumor. Pelo visto, ter tempo para puxar a história do sujeito e avaliá-lo ao vivo e em cores é mais útil do que apelar de imediato para a tecnologia. Mas o pior é que muitas vezes quem reclama de dor nas costas comete um grande erro: o de nem procurar um profissional e se automedicar. Aí o tiro sai mesmo pela culatra. Mais do que efeitos colaterais, remédios podem render sérios danos a outros órgãos.
Heymann et al.58 Rev Bras Reumatol 2010;50(1):56-66Nos portais NICE (National Institute of Clinical Excelente) e OASIS, a digitação da palavra “bromyalgia”, não resultou em artigos. No portal DARE, foram encontrados dois resumos relevantes de revisões sistemáticas. Na National Guideline Clearinghouse, a busca por “bromyalgia” demonstrou 17 itens, sendo quatro diretrizes de interesse.9,24-26Um grupo de seis especialistas em reumatologia, considera-dos estudiosos e pesquisadores em bromialgia (Grupo I), por indicação da Sociedade Brasileira de Reumatologia, avaliou as diretrizes (guidelines) obtidas na pesquisa utilizando um instrumento próprio para este tipo pontuação.27 A incorporação dos guidelines internacionais na discussão local foi avaliada a partir do critério estabelecido pela AGREE Collaboration (Apraisal of Guidelines Research and Evaluation), que permite a avaliação e a comparação entre diferentes diretrizes (guideli-nes), permitindo, assim, a utilização dos melhores critérios de cada um. O AGREE é uma ferramenta genérica, podendo ser aplicada a qualquer patologia, incluindo aspectos diagnósticos, promoção da saúde, tratamento e outras intervenções.A metodologia proposta pelo AGREE avalia tanto a qua-lidade do enunciado como a qualidade de alguns aspectos intrínsecos às recomendações, dividida em seis domínios: Âmbito e nalidade (objetivo global da norma de orientação); Envolvimento das partes (representação de todas as partes inte-ressadas e potenciais utilizadores), Rigor do desenvolvimento (processo de coleta de evidências utilizado e formulação das recomendações); Clareza e apresentação (linguagem e forma-to), Aplicabilidade (aplicação das recomendações em termos organizacionais, comportamentais e de custos) e Independência editorial (isenção das recomendações e reconhecimento de conitos de interesse). Com base neste método de avaliação, foram escolhidas as diretrizes (guidelines) que alcançaram um percentual maior ou igual a 51% em todos os domínios.8,25,26 Essas diretrizes (guidelines) selecionadas serviram de base para que se elabo-rasse um questionário inicial para a construção do consenso. Esse questionário inicial foi então avaliado e modicado pelos integrantes do Grupo I. Outras metanálises e revisões sistemá-ticas que não passaram pelo método AGREE também foram avaliadas pelos especialistas do Grupo I, que decidiram pela sua incorporação ou não na lista de recomendações a serem questionadas.Os especialistas do Grupo I foram alertados de que as recomendações deveriam ser elaboradas de acordo com seu grau de recomendação e aplicabilidade no Brasil.Uma vez concluída a elaboração desse questionário pelo Grupo I, passamos à segunda etapa do projeto, ou seja, a vo-tação dessas recomendações.Segunda etapa: VotaçãoA segunda etapa consistiu na reunião entre médicos de várias especialidades que estudam e tratam a bromialgia, com a nalidade de votarem na sua concordância ou não com as armações elaboradas pelo Grupo I. Essas armações reproduzem os achados obtidos nos estudos consultados na primeira fase. Para isso, formou-se o Grupo II, constituído pelos integrantes do Grupo I acrescidos de especialistas selecionados por suas respectivas sociedades médicas, levando-se em conta sua experiência e reconhecimento no tratamento da doença em avaliação. O Grupo II foi formado por 30 especialistas provenientes das seguintes sociedades: Sociedade Brasileira de Reumatologia, Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor, Sociedade Brasileira de Clínica Mé-dica, Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, Academia Brasileira de Neurologia e Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação. A votação das armações elaboradas foi eletrônica, e os participantes não foram identicados individualmente, apare-cendo somente o resultado do grupo. No momento da votação, todos os especialistas foram alertados que as recomendações deveriam ser avaliadas de acordo com seu grau de recomen-dação e aplicabilidade no Brasil.Todas as recomendações foram votadas como SIM ou NÃO, sendo que seguindo a metodologia BASCE,7 somente aquelas que tiveram uma votação SIM ou NÃO igual ou su-perior a 70% do grupo foram consideradas consensuais. As armações que não obtiveram consenso na primeira votação foram motivo de argumentações entre um especialista favorá-vel e outro contrário. Após o término desse debate, foi realizada nova votação. As questões que, após a segunda votação, não atingiram o percentual estabelecido foram consideradas como não tendo alcançado consenso e, portanto, não foram incluídas nas recomendações desse Consenso Brasileiro. Dessa forma, as práticas aqui recomendadas foram aquelas que obtiveram pelo menos 70% de consenso, e as não recomen-dadas foram aquelas em que pelo menos 70% dos especialistas concordaram em não as recomendar. As que não obtiveram consenso foram aquelas em que não houve pelo menos 70% de concordância em recomendá-las ou não.Como documentação, a reunião de consenso foi lmada e também documentada por meio de voto eletrônico.CAPTAÇÃO DE RECURSOSA Sociedade Brasileira de Reumatologia contratou os serviços da empresa Axia.Bio para a captação de recursos, condução
Conheça os principais usos da acupressão. Por mais que a técnica seja utilizada no tratamento de vários problemas de saúde, o uso mais comum é o do alívio de dores de dor de cabeça, dores no pescoço e dores nas costas. Muitas pessoas também utilizam a acupressão para controlar o enjoo, a fadiga, o estresse, a perda de peso e até mesmo alguns vícios. Acredita-se que a técnica ajude a reduzir a tensão muscular e promova um relaxamento profundo.[5]

Porém, como já referido, não existe nenhum exame laboratorial ou de imagem que confirme o diagnóstico de fibromialgia. Na verdade, esses exames só servem para se descartar outras causas de dor crônica. Se durante a investigação algum exame laboratorial ou de imagem detectar alterações, ou ainda, se houver a presença de sinais inflamatórios nas articulações (artrite) ou sinais de lesões neurológicas detectáveis durante o exame físico feito pelo médico, o diagnóstico de fibromialgia deve ser repensado, uma vez que estas alterações apontam para a existência de uma outra causa para as dores.


Similarly, two South Korean RCTs 11 , 12 showed reduced labor duration in parturients who received acupressure at the SP6 point. Another study 10 showed shorter labor time compared with participants who received standard treatment. The mean decrease in labor in SP6G considering a cervical dilation of 3 cm was 52.4, 11 52.6, 12 and 54.0 10 min. With regard to the use of oxytocin, there was no difference between the groups in an RCT, 11 although the total volume in TG was higher than that in SP6G. Other studies 10 , 12 did not report the use of oxytocin or any method to augment labor.
A acumulação de gases, gastrites, intolerância à lactose, doença celíaca, síndrome do intestino irritável, obstipação (intestino preso), entre outras, apresentam sintomas de distensão muscular, provocando uma sensação de barriga inchada, ao mesmo tempo que pode ocorrer dor abdominal (cólicas abdominais ou dor de barriga), que pode ir de moderada a severa e que em alguns casos pode irradiar para as costas ou a dor ser muito difusa, apesar de tipicamente apresentarem sintomatologia bastante característica.
O tratamento da dor nas costas depende da causa subjacente. Ou seja, após diagnóstico, o médico deve definir um plano de tratamento de acordo com a patologia responsável pela dor. O doente nunca se deve automedicar ou tentar qualquer tipo de tratamento alternativo sem aconselhamento médico, sob pena de poder agravar o problema e até existir risco de morte em alguns casos. Como vimos, existem algumas patologias que são potencialmente perigosas se não forem diagnosticadas e tratadas de forma correta e atempada.
Deite-se um tapete de acupuntura indica que a pressão exercida pela superfície do tapete é consistente. Esta libertação de pressão peps de endorfinas pela glândula pituitária. Estas endorfinas são apenas péptidos opióides endógenos que desempenham o papel de neurotransmissores no corpo. Isso desencadeia o estresse geral e alívio da dor, seguido de relaxamento completo. Em alguns casos, as esteiras de acupuntura também acreditado para reduzir os níveis de pressão arterial elevada.

Prescrever exercícios resistidos para indivíduos com histórico de dor na coluna vertebral não é tarefa simples e implica, além do conhecimento sobre os fatores determinantes da dor, a compreensão do processo de estabilização da coluna vertebral, o domínio da técnica de execução, para garantir que os músculos sejam ativados de acordo com os objetivos, e noção apurada das progressões dos exercícios. É relativamente frequente que o fisioterapeuta ou o profissional de Educação Física que recebe o paciente/aluno egresso de uma crise na coluna vertebral seja conservador na escolha dos exercícios, posições e métodos adotados. Porém, treinar um indivíduo procurando, apenas, evitar situações de risco é abrir mão do potencial preventivo do treinamento e não prepará-lo para as exigências do cotidiano, incluindo mobilização de cargas e prática esportiva. Apesar da abordagem sempre ser global, o treinamento da força muscular deverá recair invariavelmente sobre os músculos responsáveis pela estabilidade da coluna vertebral. Esse grupo de músculos compõe a região conhecida como core (núcleo). O core é constituído de uma unidade integrada composta de 29 pares de músculos que suportam o complexo quadril-pélvis-lombar (QPL). Pode-se fazer uma analogia com uma “caixa” na região central do corpo, em que se localiza o centro de gravidade e na qual basicamente todos os movimentos dos membros se iniciam.

Santiago, conhecida por suas belas vistas da Cordilheira do Andes, saborosos vinhos, praias e passeios de ski, também abriga uma das principais provas de corrida da América do Sul. A capital chilena, um dos destinos mais procurados por turistas brasileiros, sedia em 7 de abril a 13ª Maratona de Santiago, evento que vêm ganhando mais visibilidade de corredores e grandes empresas ligadas ao esporte.


Curiosamente, apesar da riqueza de sintomas, não há alterações detectáveis nos exames laboratoriais nem nos exames de imagem, como radiografias, ultrassonografia, tomografias, etc. Além da dor, mais nada é detectado através do exame físico do paciente com fibromialgia. Biópsias realizadas nos músculos, tendões e ligamentos nada revelam, não há sinais de inflamação, não há lesões e muito menos alterações estruturais.
O médico radiologista especializado em ortopedia esportiva e chefe de diagnósticos no Hospital do Coração (HCor), Abdalla Skaf, comenta em entrevista ao programa Rota Saudável, da Rádio Estadão, sobre o tema. De acordo com o ele, a pessoa que sentir dor nas costas deve procurar um especialista imediatamente. “O profissional irá realizar um exame físico primeiramente. Se este não for suficiente para diagnosticar a real causa do problema, sugere-se uma série de testes complementares, como a radiografia, ou, em casos mais extremos, ressonâncias magnéticas e tomografias”, explica.
×